Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 19 de abril de 2012

O meu Erasmus

As vezes acho que não estou a viver a verdadeira experiência ERASMUS, que não estou a ser capaz de aproveitar ao máximo esta fase como deveria e queria.
Eu não sou uma pessoa que faça amizades facilmente, dum momento para o outro… não sou capaz de falar ou estar com pessoas só porque sim, para não estar só, para “ser sociável”. Dou-me facilmente com as pessoas que conheço, falo sem problemas mas não sou capaz de fazer conversa, forçar uma relação com quem quer que seja – não suporto “fretes”, não é o meu género…não consigo, pronto, não me sinto confortável com isso.


Dou-me conta que quase não falo com nenhum ERASMUS – aqui são todos espanhóis (tirando 4 ou 5) que, sendo muitos, se juntam mais, unem-se num “circulo fechado” no qual não me apetece absolutamente nada tentar intrometer-me (nem penso que seria possível) e não me agrada propriamente que se recusem a falar italiano, só porque sim, porque são tantos e se acham melhores que todos os outros ao ponto de insistirem em continuar a falar a sua língua num país onde supostamente deveriam aprender algo diferente do que já conhecem – em vez disso, dão-se com espanhóis, vivem com espanhóis, falam espanhol, fazem uma vida como se continuassem em Espanha…

Falo só com italianos praticamente – as minhas colegas de casa e alguns elementos do grupo de ERASMUS da Universidade e uma ou outra pessoa que tem aula comigo – e, sendo poucas, não é que tenha uma relação muito chegada. Muitas conversas são de circunstancia ou sobre coisas da faculdade ou aulas, etc.

A verdade é que, numa cidade pequena como esta, onde não há muito para fazer e o que há não há com quem o fazer, quando são realizadas actividades interessantes (festas) por cá, estão plenas de pessoas que vivem nos seus mundos fechados, que chegam a ser arrogantes…

Um núcleo ERASMUS destes também não facilita as coisas.

Além de tudo e embora não devesse afectar a minha vida, a situação que vive a minha família neste momento é crítica - desde que vim para cá ou mesmo antes... o que não ajuda às coisas.
Não sei se me sinto feliz neste momento mas também não sei se é por estar cá e por estar a viver isto da forma que vivo (consoante me é permitido) - desconfio que não seja esta razão mas sim algo como a situação familiar e as circunstâncias/ o estado em que está tudo no meu peito e na minha cabeça...

Não ponho, nem por um momento em questão como é bom estar aqui, ter decidido viver esta experiência. Mas muitas vezes tenho duvidado de estar a fazer o meu melhor.

2 comentários:

  1. Tens que ter força e tentar aproveitar ao máximo!!

    ResponderEliminar
  2. Espero que comece a correr melhor essa tua aventura (; sempre gostei da ideia de estudar para o estrangeiro, ainda por cima itália deve ser um país fantástico! cultura, comida, história... é bastante para cima do fantástico!

    boa sorte aí, e tenho a dizer que já sigo o teu blog á algum tempo e aprecio bastante (; xoxo

    ResponderEliminar

Muito obrigada pelas tuas palavras!