Pesquisar neste blogue

terça-feira, 12 de junho de 2012

Que asco!

Depois de praticamente 4meses em que não voltou para casa como era de esperar e deixou o "amor da sua vida", a sua filha mais nova longe e sós sem uma única explicação para ele; depois de uma infinidade de mentiras, de se esconder de tudo e todos e fazer com que as filhas andassem sempre com o coração em mãos, temendo o pior; depois de ter ligado, em 4meses e depois de ter "fugido" de casa (e, principalmente, dele) e só lhe ter ligado UMA única vez; depois de ter feito tanta fita, tanta ginástica, encenado e feito as filhas encenar; depois de toda a preocupação, medo e assombro...depois de tudo e nem quatro meses depois ela meteu-se com alguém que acabou de conhecer. E o pior não é isso. O pior é que o fez, com a maior das descontracções, com a maior despreocupação, sem qualquer noção ou respeito (nem por si nem pelos que estão à sua volta e diz amar mais que tudo), debaixo do mesmo tecto, com a maior cara de pau possível, na sala ao lado do quarto da filha mais velha (que todos os dias arrisca a sua relação com o pai mentindo para a "proteger" e esconder todos os seus passos e movimentos). Sem qualquer tipo de problemas fê-lo uma e outra vez, com a filha ao lado praticamente, a ouvir, tremendo, sem saber o que fazer ou pensar, sem conseguir sequer acreditar. Sim, ela comeu o novo amigo na sala, mal a filha tinha ido deitar, no quarto quase ao lado.


Para nem falar que tinha passado o dia TODO fora, a filha não tinha chave de casa e tinha medicação para tomar às 23.30h. Ela tinha saído às 9/10h e nem viu a filha (doente e que não via praticamente há 3dias) durante todo o dia. Regressou pelas 00.40h e só porque o amigo tinha sido chamado para trabalhar mas no final não foi necessário e, vai daí, ficam em casa a comerem-se à cara podre. Mesmo estando a filha lá, mal ela foi tentar dormir, cheia de dores por ter estado sem tomar a medicação e ter sido obrigada a estar tanto tempo fora de casa porque não tinha chave a mãe não se preocupava em voltar para casa mesmo sabendo o estado em que ela estava. Ele só se foi embora quando, passadas quase 2h a ouvir tudo e ganhar coragem, remoendo-se por não saber o que fazer, a filha decidiu sair do quarto e ir à casa de banho. A mãe não lhe dirigiu uma única palavra, nem sequer um olhar. Encenou e ele saiu, já passadas as 2.30h da madrugada. Pelas 3.30h esteve ao telefone com ele, no quarto ao lado do da filha, sem qualquer cuidado ou problema em falar baixo ou conter gargalhadas que, incrivelmente, ainda era capaz de soltar depois daquilo que fez. Estas pessoas dão-me nojo.

1 comentário:

  1. Tem calma ... como te disse, pelo que "entendo" destas coisas, essas pessoas passam sempre pela fase de fazer tudo e mais alguma coisa, sem querer saber das consequências e sem pensar um pouco que seja.
    Não sei bem o que te dizer ... tem calma ... :\

    ResponderEliminar

Muito obrigada pelas tuas palavras!