Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Dores de alma


Depois disto, ontem fui buscar a minha mãe ao trabalho e levei-a a casa. Tinha uma coisa para lhe entregar, que ela já me tinha pedido e resolvi ir até lá. Avisei-a, ela consentiu e assim foi. Apanhei-a e deixei-a em casa. Não falou de nada mas eu também não. Foi como se nada se tivesse passado mas pronto... Eu tenho a minha consciência tranquila porque sei que não há mais nada que eu faça que mude aquilo que ela sente ou é. Sei que precisa de ajuda e já me convenci que eu não sou capaz de lha proporcionar. Quem me dera ser capaz de lhe tirar aquela dor e aquela tristeza profunda, as angústias, os medos e as limitações que ela carrega! Quem me dera. Mas não posso, essas são lutas que só o próprio pode travar. Manter-se assim, como tem estado, só faz com que se debilite ainda mais, com que acabe por não desfrutar do que recebe de bom e por, aos poucos e sem consciência, afastar para muito longe todos aqueles que lhe queiram bem. Porque não tem uma visão correta das coisas, não consegue discernir o certo do errado, o melhor do pior, o bom do mau. E isso só lhe faz mal a ela - também faz aos que dela gostem ou com ela se preocupem mas faz pior a ela e isso é assustador.
Disse-lhe, anteontem que precisava de procurar a ajuda de um profissional para evitar viver numa montanha russa de emoções. Tal como já lhe tinha dito há três anos, quando saiu de casa e deixou o meu pai e tudo para trás. Porque há feridas que não se curam se não as tratarmos. Mas ela não me ouviu e duvido que desta vez ouça. E, Deus sabe, as vezes que já falei do assunto desde então, as formas como já insisti, como já tentei fazê-la entender. É inútil. Enquanto ela não se convencer a si mesma e admitir que precisa de ajuda, ninguém no mundo será capaz de ajudá-la, por muito boa vontade que tenha.

4 comentários:

  1. Pois é querida, disseste tudo: não podemos ajudar quem não quer ajuda. É triste que a tua mãe assim seja, que se afaste ou te afaste. Que mude repentinamente, mas tu és forte e vais continuar a sê-lo, tens um grande Homem ao teu lado que está e sempre estará lá para te amparar as quedas e secar as lágrimas. Força *

    ResponderEliminar
  2. Tens toda a razão, se ela não tomar consciência de que realmente precisa de ajuda, nada do que lhe disserem fará diferença, mas quem sabe se a lembrarem disso constantemente e lhe apresentarem os prós e os contras, ela não começa a dar mais importância ao assunto. Espero que mais cedo ou mais tarde aceite essa ajuda, para o bem de todos mas principalmente dela. Um beijinho grande *

    ResponderEliminar
  3. Devia mesmo recorrer a ajuda. Seria melhor para todos e acima de tudo para ela. Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Compreendo a dificuldade que deve ser para ti, ver a tua mãe a sofrer assim. Espero que ela se mentalize de que precisa de ajuda de forma a melhorar não só o seu bem estar com também dos que a rodeiam. Força! :)

    ResponderEliminar

Muito obrigada pelas tuas palavras!