Pesquisar neste blogue

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Do que já foi


Nunca se perguntaram se aquelas pessoas que já amámos se lembrarão de nós? Se ao ouvirem aquelas que foram as "nossas" músicas alguma coisa lhes passa no peito? Se existem memórias que não somos só nós a ter, se as recordações que hoje já não são tão dolorosas e se tornaram suportáveis serão partilhadas e consideradas como agradáveis por mais alguém? Não sei se é a palavra certa para o descrever mas a mais aproximada que me ocorre é ...nostalgia. Não é saudade, não é arrependimento nem tristeza, é pensarmos no que já foi e conseguirmos ver que houve algo bom, nos lembrarmos ainda que muito desfocadamente do que nos unia, daquele sentimento que nos moveu em tempos. Não resulta em mais do que um emaranhado de sensações e pensamentos mistos. Será que sou só eu? A verdade é que eu sinto que hoje consigo olhar finalmente para trás com outros olhos, sem mágoa e muito mais tranquilamente. Isso, para mim, já é uma grande vitória.

2 comentários:

  1. Não és a única. Dei por mim a ler este post e a pensar que estava a ler um segredo no shiuuu e a identificar-me (tanto) com ele. Não és a única.
    Para onde vão esses sentimentos, esses sentimentos que foram tanto? Terão um lugar próprio onde vão morrer como fazem os elefantes ou será que ficam esquecidos para todo o sempre? Será que só voltam a existir nos momentos em que sentimos essa nostalgia? Porque tens toda a razão: é nostalgia. Já não é saudade porque o tempo encarregou-se disso. Já não é saudade que sentimos. Já não nos aperta o coração quando nos lembramos. Já não é saudade. Porque crescemos. Amadurecemos. Tivemos de o fazer na falta de um pedaço. Um pedaço que nos tiraram. Pedaços que nos tiram e vão roubando ao longo da nossa vida. E nós ali, impotentes, sem poder fazer nada. Porque é assim a vida. E aprendemos. Aprendemos isso mesmo: a saudade passa a nostalgia e nós seguimos em frente. Tivemos de o fazer. Mesmo hoje, apesar de conseguirmos olhar para trás e sorrirmos com tudo o que vivemos damos por nós a pensar: poderia ter sido tão diferente. E podia mesmo. Mas como crescemos e amadurecemos entendemos que até foi melhor para nós. Entendemos. O que não quer dizer que percebamos. Mas crescemos. E a saudade virou nostalgia.
    Eu acho que sim. Eu sei que sim. Eles, eles também se lembram e também pensam em nós. Seguiram com a vida deles, tal como nós nos vimos obrigadas a fazer. Mas sim. Há quem se lembre. Nem todos se lembram quiçá. Mas alguns sim. Alguns pensam e recordam da mesma forma. Quem sabe recordam com saudade ainda quando nós já recordamos com nostalgia.
    Não és só tu. E desculpa-me o testamento mas não contava ler isto hoje e recordar. Recordar com nostalgia e perceber que continuo a crescer. Gostei de vir cá parar hoje. Gostei de entrar e sentar-me mesmo sem saber que ia cá ficar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pelas tuas palavras, no fundo acho que tens razão e que eles também se lembraram. E sim, também me pergunto às vezes para onde vão os sentimentos que já tivemos, os pedaços de nós que "perdemos" ou nos arrancaram.
      É bom olharmos para trás e percebermos o quanto crescemos e como aquilo que tanto nos magoou até nos fez tão bem! Sê bem vinda (o), quando te apetecer, mesmo que não seja para ficar, que seja só para espreitar se te fizer sentido. Beijinhos e obrigada :)

      Eliminar

Muito obrigada pelas tuas palavras!