Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Quem não arrisca...

Dei-me conta de que o medo é muitas vezes fruto desta nossa mania de antecipar as mais variadas situações possíveis, o que pode correr bem e o que pode correr mal. Espelha, muitas vezes, as nossas maiores fragilidades e, ao mesmo tempo, os nossos maiores desejos. 


Só antevemos e adivinhamos o que pode correr mal porque já passámos alguns dissabores, porque temos receio que algo se volte a repetir. Não necessariamente algo pelo que já passámos mas também de um modo mais genérico, porque já falhámos antes, porque as coisas já correram como não esperávamos.
A verdade é que bem podemos especular, antever ou antecipar. Se não tentarmos nunca saberemos. O que tem ou é factor diferenciador é a vontade que temos de fazer algo, de concretizar ou de tornar realidade. A vontade de arriscar vem de uma intuição, de um desejo muito forte e pessoal. Só enfrentamos o medo quando aquilo que queremos ou que possa estar em jogo vale qualquer risco. Vale a pena arriscar quando o que está em causa é a nossa vida e felicidade.

3 comentários:

  1. O medo é das coisas mais poderosas que podemos sentir. Vencê-lo é inigualável!

    ResponderEliminar
  2. Ou não!
    Quando é a nossa vida e a nossa felicidade que estão em causa, é que devemos ponderar melhor as nossas ações.
    Não vale a pena deitar tudo a perder por uma decisão leviana. E às vezes, depois do erro cometido, não há como voltar atrás.

    ResponderEliminar
  3. O medo é muitas vezes um entrave para seguir em frente...

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar

Muito obrigada pelas tuas palavras!