Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Recebi hoje a sua segunda carta



Ontem ficámos até altas horas a falar e acabámos por "discutir" (não uma verdadeira discussão, porque isso nunca chega a acontecer com ele, mas falámos assuntos sobre os quais discordamos, algo raro). 

Não estou nada contente com o ter de ficar sozinha esta Páscoa e muito menos por ele não estar comigo depois de me ter feito acreditar, desde sempre, que seriam as "nossas" férias. Eu sei que ele só não vem porque não pode, porque aconteceu um imprevisto de última hora, algo que ninguém esperava nem teve culpa - o pai bateu com o carro dele e não tinha dinheiro para pagar o arranjo, portanto ele teve de o pagar não ficando com dinheiro suficiente para vir ter comigo. Ridículo, parece-me tudo isto, mas pronto - mas toda esta situação revolta-me, é mais forte do que eu. 

Não suporto injustiças, não consigo estar calada quando acho que está algo mesmo muito errado. E ele é uma pessoa que, sabendo que de nada adianta chatear-se, como neste caso concreto, não se chateia. Simplesmente fez o que tinha a fazer. Não havia muita opção, então pagou ele e nem falou mais do assunto, sabendo que agora já não vinha cá na Páscoa. Eu sei que é a sua personalidade. 

Se fosse eu fazia a maior discussão, ainda que de nada servisse, chateava-me, barafustava, ainda que tivesse de fazer o mesmo que ele fez, todos iam ficar a saber o quão descontente estava com aquilo, tinham de me ouvir, no mínimo. E eu ontem disse-lhe isto, que ele é mesmo assim. Depois de ter dito que esta situação me deixa muito triste e desapontada. E ele ficou a achar que eu não dou valor ao que ele faz, que estou desiludida com ele, que sou injusta por ter dito aquilo, que eu acho que ele não veio ter comigo por não querer ou que não fez sempre tudo pelo melhor desde que cá estou, que quase roço o egoísmo por querer tê-lo cá comigo, no matter what.

Eu quis só dizer-lhe que não sei como ele consegue ser assim, que às vezes, desejava que ele fosse só um bocadinho "explosivo" e fizesse ver aos outros que não é uma pessoa "mansa", para quem fica sempre tudo bem ou "vai ficar". Mas não é por ser o correcto. O mais provável é que seja por eu própria ser tão diferente dele naquele aspecto, o que não é necessariamente melhor. Mas sou assim mesmo.

Hoje mal nos falámos. Eu não consigo por isto para trás das costas como se nada fosse. Estou tremendamente triste, não consigo escondê-lo nem fingir que está tudo bem - sim, eu sei que ele não tem culpa. A um certo ponto, quando falávamos e era sempre a mesma história, eu disse que não valia a pena continuar aquela conversa e sai da internet. Tinha de sair de casa. Tenho passado os meus dias a "arrastar-me" por casa, sozinha, fechada...sai de casa. Não tenho saldo. Andei mesmo debaixo de chuva, caminhei. Não lhe disse nada. Quase 3h depois, regresso a casa e, na minha caixa de correio, espera-me a carta que me tinha mandado.

E eu não sei se hei-de ficar contente pelas suas palavras, pelo pedacinho dele que este papel me trouxe, se hei-de chorar ainda mais a sua distância, ausência e falta...

5 comentários:

  1. Sê forte. A vida é feita de desafios e tu estás a passar por um enorme agora ;)

    ResponderEliminar
  2. VerdeZolhos, somos parecidas. ansiosas, apaixonadas e lutamos pelo que queremos. nem que para isso tenhamos que parecer umas alucinadas. eu sou assim. o problema é que sofremos mais... um beijinho e as melhoras da "birra" (é como chamo a esse estado de espírito, por esse motivo);)

    ResponderEliminar
  3. Infelizmente esses imprevistos acontecem...
    Por um lado não podes deixar que isso afecte a vossa relação, mas por outro tens que deixar bem claro que as responsabilidades têm que ser assumidas, e ele tem que cuidar do que é dele... Obviamente na mesma situação eu também faria a mesma opção, pelo menos para mim neste momento o carro é essencial para o meu trabalho, mas deixaria bem claro que por causa dessa situação tinha ficado sem viajar, e que isso me deixava imensamente triste...
    É preciso força e cabeça levantada... Não puderam ser as Vossas férias, mas essas também acabarão por acontecer...

    ResponderEliminar
  4. Desculpa discordar... mas eu acho que ele teve uma atitude da qual te deves orgulhar. apenas e só isso!
    eu teria a mesma atitude que ele, sem pensar duas vezes.

    ResponderEliminar
  5. Ju, sem dúvida que ele fez o que tinha de ser feito, como homem de ideias assentes que é. A questão não é essa mas o facto de não ter sequer feito-lhes saber do seu descontentamento, das consequências do comportamento (errado) que tiveram. Beijinho e obrigada =)

    ResponderEliminar

Muito obrigada pelas tuas palavras!