Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Feira do Livro


De 24 de Abril a 13 de Maio de 2012 no sítio do costume, Parque Eduardo VII em Lisboa! Podem seguir actualizações aqui.

82 edições de Feira do Livro de Lisboa e mais de duas dezenas de anos de toda a minha vida.


Não sei se será por saber que neste momento está a decorrer a (minha querida) feira do Livro em Lisboa e saber que não poderei estar presente...mas tenho andado com uma vontade tremenda de ter livros novos, de ler livros, de regressar a casa com a riqueza de cada livro nas mãos.

A verdade é que, sendo realista, não me serve de muito. Desde que entrei para a faculdade que é mesmo muito complicado para mim (para não dizer mesmo impossível) ler algo além daquilo que esteja relacionado com a área e que devo ler. Em tão pouco tempo que temos para nos dedicarmos a estudo e leituras, sou, desde o primeiro momento, incapaz de me organizar de forma a conseguir ler tudo o que devo ler a nível curricular, quanto mais sequer sonhar com uma leitura fora do meu âmbito de estudo.

Agora em ERASMUS, embora tenha muito para ler na mesma (e ainda não o tenha feito) enquanto obrigação estudantil, parece que "tenho" mais tempo para ler outras coisas. A verdade é que não passa de mera ilusão. Tenho demasiada coisa que devo, obrigatoriamente, ler e não consigo, portanto será pouco provável que consiga ler alguma obra "por desporto".

Esta vontade de ler é provocada também, a meu ver, pelo facto de estar "longe" da minha língua materna, que desde sempre me aguçou a curiosidade, me apaixonou e fez querer ir mais além. É a falta que me faz o Português, uma das minhas paixões.


Desde miúda, desde que me conheço que ler, estar no meio de palavras, brincar com elas, por vezes deixar-me levar por elas, outras tomar eu as rédeas e fazer delas o que desejasse...é dos meus maiores fascínios, verdadeira paixão. Cada livro era uma verdadeira preciosidade para mim, manuseado com os maiores cuidados e, ao mesmo tempo, fascínio, quase admiração...

Para mim, ir à feira do Livro que todos os anos acontecia e poder trazer para casa um novo era mais importante que qualquer brincadeira preferida, ida ao Parque de Diversões ou o que quer que fosse. Os melhores presentes eram livros novos que devorava com uma sofreguidão desmedida, enchiam-me o peito e eram capazes até de fazer brilhar os olhos.

Com o tempo e a mudança para a capital, a tradição da ida à feira do livro na minha terra natal passou para a da nova cidade que me recebera no colo. Este ano não posso estar lá... felizmente ontem encontrei uma banca dum coleccionador (um senhor já duma certa idade) com livros a 1€ em PESCARA e pronto, trouxe-me uma saudade boa daqueles tempos. De Portugal também vieram algumas lembranças, de PESSOA e da gestão pessoal que tanto se quer nos dias de hoje, porque também é preciso acompanhar as exigências práticas que a vida nos traz.

Desde miúda, de quando os cabelos ainda eram de um liso asiático incrível e usava meias brancas pelo tornozelo com os vestidos rodados que me lembro de que, estar no meio dos livros, na pequena biblioteca da cidade - que para mim era um imenso mundo encantado - era das coisas que mais alegria me dava. 


Hoje em dia não sou capaz de me enfiar numa biblioteca e deixar-me perder por ela. Aliás, não sou sequer capaz, muitas vezes, de encontrar lá o que quer que seja. É como se, de um momento para o outro, a minha relação com este tipo de espaços tivesse sofrido uma transformação tal que me fez passar de uma intimidade e "cumplicidade" inexplicáveis, que me permitiam sentir-me em casa lá, perder horas e horas lá enfiada, até não poder mais, a uma estranheza e afastamento incompreensível, do qual nem me dei conta enquanto aconteceu mas com que hoje me deparo.

É estranho... Apesar de não ter a mesma relação com bibliotecas e livros de quando tinha 7/8anos, de hoje ser de tal maneira diferente que se revela estranha para mim, tenho a certeza que as letras, o Português, as palavras, as bibliotecas, as frases, os livros, farão sempre e tão intensamente parte da minha vida, mais, de quem sou. De formas diferentes, sem dúvida mas sempre com tanta força e importância, "essencialidade" - no sentido de serem verdadeiramente essenciais para mim...

Sou uma apaixonada assumida por livros, pelas palavras, pela nossa língua. E isso é (grande) parte de quem sou, desde que me conheço.

2 comentários:

  1. Gosto muito de ler, de livros, de folheá-los, de os guardar na estante (daí a ideia de me desfazer de um livro é-me inconcebível) , mas infelizmente os livros agora estão caríssimos, muito impossíveis de alcançar para muitas pessoas.

    ResponderEliminar
  2. É bem verdade. Infelizmente, é uma realidade mesmo muito triste.
    Por isso, para mim, comprar um livro tem de ser sempre a preços "de feira" mas mesmo acessíveis! Senão não há hipótese. Já com a verdadeira fortuna que gasto obrigatoriamente em livros do curso!!!

    beijinhos

    ResponderEliminar

Muito obrigada pelas tuas palavras!