Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 7 de maio de 2012

A visita da mummy

No Domingo (finalmente) partiram de Lisboa às 7.15h. Aterraram no LEONARDO DA VINCI às 11.15h e levaram mais ou menos meia hora para ter a bagagem com eles. Compraram bilhete de autocarro para o centro de Roma (estação de TERMINI) para as 12.50h (era o que havia) mas só saíram de lá às 13.35h!!!!! O que fez com que chegassem a TERMINI (onde eu estava à sua espera desde antes de aterrarem porque acordei pelas 10h e não consegui ficar em casa só sem nada para fazer) depois das 14.20h!!!

Já só acreditava que lá estavam e estariam comigo quando os visse mesmo à minha frente! Passei o tempo a vaguear pela estação, pelas imensas lojas que tem, na esperança de me entreter e assim conseguir fazer o tempo passar mais depressa. 

Quando chegaram FINALMENTE e passado tanto tempo à minha frente abracei forte a minha mãe, que está mais elegante do que nunca (não me lembro dela alguma vez assim) e parece a cada dia mais nova e maluca claro. Apesar de cansada estava eufórica como já era de esperar (afinal estava a viajar, das coisas que ela mais ama). O pobre G. tinha estampado no rosto a desilusão, tristeza e frustração das últimas horas, do último dia e só me apetecia enchê-lo de beijos e abraçá-lo forte - só o abracei e tentei alegra-lo mas eu mesma compreendia perfeitamente tudo aquilo que estava a sentir.


Eles traziam imensas malas e então decidimos ir a casa deixá-las todas, comer e preparar mochila (com farnel) para o dia em Roma. Claro que demorámos ainda umas 2h mas saímos para visitar a cidade eterna. Primeiro o VATICANO, a impressionante Basílica de SÃO PEDRO, as ruas que já nos eram familiares. Depois a FONTANA DI TREVI, o VITTORIANO e o COLOSSEO de novo mas pela primeira vez para a minha mãe. Desta vez, ao contrário do nosso primeiro fim de semana lá, vimos a FONTE à luz do dia e o COLISEU à noite. E o tempo não permitiu mais. Às 21.30h, depois de quase uma maratona, lá chegámos a TRASTEVERE para jantar. Estava imensa gente à porta da CASETTA DI TRASTEVERE que voltámos a repetir - tínhamos estado lá da outra vez e gostámos por isso decidimos voltar. Entrámos logo porque éramos só três mas depois chegaram também a I. e os amigos (mais quatro no total).

Não podia estar mais feliz (radiante mesmo) por poder mostrar à minha mãe aqueles locais maravilhosos, aquela cidade mágica e fascinante que é Roma. Quase não cabia em mim de contentamento e excitação porque sei o quanto ela gosta de viajar e conhecer e tenho pena de não o fazer ou tê-lo feito mais.

Depois de esperarmos algum tempo lá nos fizeram sentar todos juntos e tivemos um belo jantar. Seguiu-se uma ida ao CIRCOLO DEGLI ARTISTI que é um espaço fantástico. Nem sei explicar mas é um recinto com espaços cobertos mas a maioria é um enorme jardim que tem bancos e flores, como um parque, com sofás e recantos deliciosos. Ainda por cima estava a decorrer uma mostra de pintura - estavam lá artistas a pintar ao vivo - e de artesanato - peças de roupa e acessórios super originais para venda!

Uma noite bem passada num lugar único. 
 
Regressámos a casa deviam rondar a 1.30h/ 2h. Despedimo-nos da I. e deixámos tudo a postos para no dia seguinte partirmos. Ainda antes de deitar a minha mãe lembrou-se que devíamos alugar um carro e não regressar a TERAMO de transportes porque, na verdade, para três pessoas sai mais barato o aluguer de um carro. Eu não achei piada à ideia porque era já tarde, estava cansada e tinha de descobrir uma rent-a-car com carros disponíveis, preços acessíveis e ali perto (senão teríamos de gastar mais em transportes para lá chegar) de casa da I. Ainda pedimos ajuda à I. que nos deu um contacto para ligarmos ou lá irmos no dia seguinte (porque era mesmo numa rua lá perto) e fizemos pesquisa por alto na net.

Deitámos tarde. A minha mãe adormeceu logo e pude dar uns beijinhos ao G. que dormiu no quarto e nós as duas na sala. Na segunda, às 9.30h o despertador tocou e eu saltei da cama. Fui acordar o G. com um beijo e a minha mãe ficou na cama até estarmos ambos prontos, depois de termos aproveitado para mimar-nos um ao outro sem ninguém dar por nada !


A muito custo lá ela se levantou (parece uma criança!) e despachámo-nos a sair de casa para passar no tal contacto que a I. nos tinha dado. Depois de muito andarmos e procurarmos, para trás e para a frente demos conta de que estava fechado, já não existia há alguns anos... Lá voltámos a casa, à internet e procurámos aquelas companhias que todos conhecemos. Ligámos para uma que nos disse que não tinha carros disponíveis - era véspera de feriado, fim de semana prolongado, dia 1 existe um concerto enorme o dia inteiro em Roma e concerteza a cidade estava apinhada de gente. Demos com a AVIS que era relativamente perto e tinha preços em conta e lá nos aventurámos a tentar descobri-la.

Apanhámos, como sempre, o pequeno comboio em GEMINI e fomos até VALLE AURELIA, daí fomos a pé até a morada que tínhamos da AVIS. Quando lá chegámos tentámos dar seguimento à reserva que tínhamos feito previamente (pouco antes) pela internet. Depois de pedidos alguns dados e passado algum tempo de tentativa, o rapaz que nos estava a atender diz que o cartão de crédito não tem a aprovação do banco e, assim, era impossível prosseguir com o aluguer. Tentou outra vez, com outro cartão mas nada. Não havia nada que ele pudesse fazer. Só com aquele modo podíamos fazer o pagamento...

Lá a minha mãe teve de ligar para o gerente de conta e lá conseguiu resolver o problema depois de termos pensado que afinal nada feito, sem sabermos como resolver ou o que fazer dadas as circunstâncias. Saímos de lá já por volta da hora de almoço, finalmente com o carro. Fomos a casa da I. buscar as malas e deixar tudo em condições e fizemo-nos à estrada, rumo a TERAMO. Só chegámos por volta das 16h cá e ainda saímos para tentar comer risotto que a minha mãe tanto queria mas àquela hora mal havia o que comer, quanto mais risotto!

Regressámos a casa e cozinhámos. Comemos imenso, mostrei  coisas que já tinha aprendido e saímos de casa só quase às 19h. Fomos ao centro comercial, onde já não ia há algum tempo. Demos uma volta um bocado à pressa (aquilo fecha às 21h) e só saímos quando já estava tudo fechado.

Naquela noite havia, também em TERAMO um concerto ("À espera do 1º de Maio"), mesmo ao lado do centro comercial mas pagava-se entrada (cerca de 10€), nós estávamos cansados e o género musical não era muito do nosso agrado. A SS estava lá e convidou-nos mas acabámos por decidir voltar para casa e deitar. Mas não sem antes os levar à melhor gelataria artesanal cá do sítio, com gelados verdadeiramente divinais, fabulosos, aproveitámos e demos uma volta pelo centro da cidade. Comemos cada um, um e no final ainda lá voltámos a comprar um quarto para experimentar e partilhámos/provámos os três. 

Enfiar 3camas no meu quarto foi OBRA! Não é que seja muito pequeno mas três camas é demais. Foi isso que tivemos de fazer, tirar coisas do quarto (e deixar no corredor), por mala arrumadas, enfiar, montar e arranjar roupa para mais duas camas (além da minha) e...só no fim, dormir finalmente.

Quando já tínhamos a luz apagada, o G. encostou-se à minha cama e fez-me festas no braço e na mão, em silêncio, para a minha mãe não dar conta. Não foi nada mas, só aquilo, foi já tanto! Adormeci.


No dia seguinte levantámos mais tarde (deviam ser umas 10.30h), tomámos todos banho, comemos e saímos para PESCARA. Nesse dia eu fui a condutora e que bem que me soube!!!

Ainda demorámos a lá chegar. Quando estávamos já a uma meia hora passámos por uma loja (num pequeno centro comercial em MONTESILVANO/SILVI) da qual já tinha falado quer ao G, quer à minha mãe, que também há em Teramo e onde eu já tinha estado mas que eles não conheciam. Como já era tarde e tínhamos fome, decidimos parar lá e comer por lá aproveitando para ver a loja - uma vez que em PESCARA, correndo o risco de não encontrarmos nada aberto ou de jeito, tínhamos de procurar um local e seria bem mais caro porque já é uma cidade maior.

Ainda lá perdemos algum tempo. Só depois rumámos a PESCARA finalmente. Estacionamos junto à estação de comboios (onde não se paga) e fomos descansados. Havia uma feira de antiguidades e artesanato e comida mesmo em frente à estação, antes da rua principal por onde passámos - comprei, por 1€ cada, BD da Disney (MICKEY e companhia) antigas, em italiano: uma edição especial do ano em que nasci, uma com Itália na capa e outra com fotos de uma caravana da BARBIE que eu tive quando era miúda (o melhor presente que recebi) na contracapa. São estas coisas que acredito, daqui a uns anos, me farão recordar a minha estadia cá. Recheadas de simbolismo para mim! ADORO!

Passeámos pela rua principal (UMBERTO I), começou a chuviscar e tivemos direito até a algumas compras na PIMKIE (primeira vez que vi a loja cá em Itália). A minha mãe está mesmo bem mais magra e em forma, elegante e jovem. ADORO! Estou tão orgulhosa!!!

No fim da rua principal encontramos a praia e o mar. Voltámos para trás, estivemos numa outra feira, desta vez de réplicas, também junto à estação de comboios e voltámos para o carro.
O objectivo era passarmos, a caminho de TERAMO, em GIULIANOVA mas não resultou muito bem. Tivemos contratempos com o GPS que se passou um bocado. Andámos às voltas, perdemo-nos e ficámos sem paciência. Lá conseguimos estar junto ao mar, na areia, numa praia deserta (penso que em SILVI) durante algum tempo e, no final, lá voltámos a casa.

Tínhamos ficado de ir ter com o M. e assim foi. Fomos comer mais um gelado maravilhoso a TERRAZINA antes de fechar e depois decidimos ir buscar umas fatias de pizza. Propus à minha mãe que eu e o G. fossemos buscar comida ao DON MIGUEL que estava prestes a fechar também enquanto ela e o M. iam ter com a SS. Estava a decorrer um concerto em frente à sé da cidade. Nós fomos buscar comida e aproveitámos para nos namorarmos um ao outro, estava já triste porque na manhã seguinte mesmo partiam. Voltámos ao sítio onde tínhamos deixado a minha mãe e o M. e voltámos a encontrá-los. Afinal ainda não tinham ido ter com a SS, ela ainda não tinha saído de casa e ficámos de ir nós ter ao segundo concerto que decorria perto da sua casa. Estivemos por lá algum tempo, depois estivemos no concerto em frente ao Duomo e, subindo, comeram-se gelados e tiraram-se fotos. No final ambos, SS e M., acompanharam-nos a casa e despedimo-nos.
Nós preparámos as malas e deitámos ainda que por muito pouco tempo. Teriam de partir às 4.30h para Roma e, por isso, levantar às 4h. 


Nessa noite dormi na cama onde a minha mãe tinha ficado na noite anterior e ela ficou na minha (a única cama a sério). Novamente, quando a luz já estava apagada e não corríamos o risco da minha mãe perceber, o G. chegou-se a mim e esteve a fazer-me festas. Eu não o queria lá porque parecia-me que a minha mãe estava acordada e pouco depois ele foi para a sua cama.
Passado pouco tempo, fui eu ter consigo, ao colchão onde dormiu e ficámos abraçados, em silêncio, no escuro do quarto. Senti-lo perto era só o que queria. Debaixo dos seus lençóis, carícias, cheiro e toque, sensações. Que delícia. E foi a nossa despedida. Voltei, depois, para a minha cama e adormeci.

Poucas horas depois era hora de levantar para partirem. Parecia um zombie. Arrastei-me para a cozinha, preparei-lhes qualquer coisa para comer, ajudei no que pude e, depois de o ver comer bem (a minha mãe não quis, tal como eu é incapaz de comer àquelas horas, logo que se levante), viu-os também partir. Levaram as malas, despedi-me da minha mãe que desceu primeiro. Ele acabou de comer, pegou nas coisa e desceu depois. Mas só depois de me dar um beijo de despedida e dizer-me o quanto gostava de mim. Desejei-lhes boa viagem e voltei para a cama depois de ter visto o carro sair.

Correu tudo bem. Chegaram a tempo - temi pelo trânsito de Roma, pelo GPS, pelo abastecer e pela entrega do carro. Fizeram check in e passaram tranquilamente no controlo. A viagem foi boa e chegaram bem. Eu tive aulas às 10.30h.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Muito obrigada pelas tuas palavras!