Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Novo elemento na família


Já há algum tempo se ponderava arranjar uma companhia para o Patanico – porque ele é novo e brinca imenso e nós não estamos muito tempo em casa por isso de certeza que se sente sozinho. E se ao início a ideia foi logo posta de parte porque ele ainda não estava "crescidinho" o suficiente e não havia condições para termos mais um gato em casa, com o tempo foi amadurecendo (como também o Patanico amadureceu) até que, depois de muito pensar e repensar o G. decidiu: estava na altura de arranjarmos um(a) amigo(a) para o gato.



Numa busca pela internet encontrámos imensos casos mas só alguns se adequavam à situação em causa. Tinha de ter mais ou menos a mesma idade, estar esterilizado (porque ele também já está) e existir a possibilidade de ficarmos com o novo amigo “à experiência” porque não sabíamos como reagiria o Patanico nem como se dariam os dois.

Assim sendo, chamou-nos à atenção algumas associações que ofereciam a segurança (e tranquilidade, porque era a nossa maior preocupação) de poder acolher novamente o novo amigo, no caso de não se darem bem. A escolha era vasta, desde gatos bebés a séniores, passando por adultos, machos, fêmeas…enfim, uma imensidão de bichinhos à procura de um lar.

Primeiro demos de caras com um macho, da idade do nosso e muito engraçado que parecia meiguinho, contactámos e disseram-nos que estava em processo de adopção. Não demorou muito a voltarmos a apaixonarmo-nos, desta vez por uma menina e decidimos que tínhamos de ir vê-la. 

Até que decidíssemos ir conhecer a gatinha, levámos algum tempo, depois de termos passado muito a ponderar se devíamos ou não adoptar outro gato (fosse macho ou fêmea, uma companhia para o de casa) mas quando quisemos vê-la , o processo foi rápido. Depois de trocarmos emails e termos uma conversa (por telefone) com a FAT (família de acolhimento temporário) da menina, marcámos uma hora, deram-nos a morada e fomos sem compromisso.

Queríamos ver como ela nos aceitava e o que achava de nós, como se comportava…e por isso não fomos sequer preparados para a trazer logo mas rendemo-nos à sua ternura depois de pouco tempo de contacto e conversa com a sua "tutora". 



Foi assim que veio logo connosco para casa, ainda naquela tarde.
Foi apanhada da rua e por isso ainda tem algumas reservas, é assustadiça em algumas (poucas) coisas mas mal dá para acreditar na sua história quando nos pede festas e se chega a nós. É uma doçura, muito ensinada e fofinha que só ela. A cada dia nos conquista um pouquinho mais e deixa-nos "chegar mais perto" (já vem para o meu colo e deixa pegar-lhe).

O mais importante, e o mais difícil também, é a adaptação com o Patanico. Primeiro estiveram separados mas depois de passarem o segundo na mesma divisão, à noite já não se quiseram separar. Bufam um para o outro e andam à briga para já mas quando chegamos a casa estão no mesmo sofá deitados, um em cada ponta, é certo, mas no mesmo sofá.

Agora acho que temos de lhes dar tempo porque só assim saberemos se se dão bem ou não. Felizmente temos a segurança (para a gatinha) de que, se não correr bem por algum motivo, ela tem sempre uma casa para onde voltar e nunca será um problema ter de separar os dois e isso é o mais importante para nós estarmos tranquilos.



Entretanto o Patanico sofreu o acidente que o afastou de casa e ela tem sentido a falta dele, de certeza que se sente sozinha. Mas não tarda ele voltará para andar à bulha com ela. E logo veremos como corre! Estamos a torcer para que corra bem, era tão bom ele não ter de ficar sozinho e ter com quem brincar e, ao mesmo tempo, podermos contribuir para dar um lar a uma menina que, sendo um doce, já esteve na rua. É o que mais queremos neste momento: que dê certo!

2 comentários:

  1. =) adorei a história. Boa sorte com os meninos :)

    ResponderEliminar
  2. Bonita acção, fizeram bem. Espero que tudo corra pelo melhor :)

    ResponderEliminar

Muito obrigada pelas tuas palavras!