Pesquisar neste blogue

terça-feira, 23 de junho de 2015

Sábado


"Ontem à noite, depois de um pranto inesperado devido à situação em que estou e à (não) perspectiva do futuro próximo, uma saudade de casa me apertou o coração.
Eu nem sei o porquê daquela sensação mas quando regressávamos a casa, depois de um serão diferente e especial, quando já estava preocupada como que me espera nos próximos tempos, tive uma vontade enorme de estar ao pé daquele "meu" mar, naquela praia, com a água nos meus pés, só a ouvir as ondas, no silêncio da escuridão da noite.
Não costumo ser saudosista e por opção decidi não voltar mas, talvez pela primeira vez ontem, naquele momento, desejei ter decidido diferente e quis lá estar. 
Não queria estar em mais lugar nenhum do mundo e só me rolaram as lágrimas perante aquela saudade aguda da minha outra casa. E dói, ontem doeu muito.
Não percebi porquê mas o meu coração e o subconsciente levou-me de volta àquele lugar e fez-me sentir um vazio no peito. Afinal, estou longe e sem perspectiva real de quando e como poderei voltar àquele cantinho."

1 comentário:

  1. A saudade prega-nos cada partida... Coragem, amanhã é outro dia e já vais sentir-te melhor. Bjs

    ResponderEliminar

Muito obrigada pelas tuas palavras!