Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

O mê homem

O homem trabalha das 9h às 17h mas leva 1h30 de caminho para ir e outra para voltar, trabalha longe como o raio e vai de transportes (se fosse de carro quase não ganhava para isso). Ele adora o que faz mas o cansaço acaba por notar-se e pesar.
Além do trabalho e das horas de viagem entre quatro transportes diferentes para cada lado, tem um partime e, por isso, faz horas extra. Quando isso acontece sai mais cedo do trabalho (porque tem horas a mais de expediente) para poder começar consultas às 17h ou 18h, conforme os dias. Fica até às 19h ou 20h em partime. Ora, assim sendo, chega a casa, quase todos os dias pelas 21h. Jantar e ver TV, raramente nos deitamos antes da meia noite e ele tem de estar de pé antes das 7h.
Feitas as contas, dorme cerca de 6h de sono (às vezes mais, às vezes menos). Como já seria de esperar, pelas 22h ou mal acabe de comer à noite começa a odisseia. Tenta manter-se acordado mas a cabeça teima em tombar e não há maneira de manter os olhos abertos. É uma cena linda de se assistir.
Como se não bastasse dormir tão poucas horas, o pouco tempo em que está na cama nem sempre o usa para dormir. Levanta-se para ir à casa de banho uma a duas vezes por noite, isto em 6h, o que rondará acordar de 2h em 2h. Posso estar muito enganada que de medicina não percebo nada mas isto não pode ser normal. Alguma coisa se tem de poder fazer para dar descanso a este homem.
Felizmente o seu trabalho corre bem mas é notório o cansaço e o desgaste que lhe causa, porque é um trabalho muito exigente, não só psicologicamente como também fisicamente. Eu já ando a insistir com ele neste assunto há que tempos e parece-me que a única solução será mudarmo-nos, mais tarde ou mais cedo, para perto do trabalho dele mas neste momento, em que eu ainda não sei onde trabalharei e sendo ainda uma distância jeitosa de tudo aquilo a que estamos habituados, parece-nos precipitado. Este ano lectivo o partime dele também mudou. Quase duplicou o trabalho que tinha no ano anterior e se por um lado é óptimo, por outro não sei até que ponto será comportável. Só ele pode decidir o que é melhor mas como tem tendência em pensar primeiro nos outros e esquecer-se de si acaba por não se prezar muito e isso preocupa-me. Se ele não cuida de si tenho eu de cuidar! 
Já temos consulta para ir ao médico saber o que poderá fazer para dormir melhor mas quanto ao resto não há muito a fazer. Ele tem de trabalhar e como as coisas estão hoje em dia não há como recusar trabalho ou oportunidades. Afinal, ele suporta quase todas as despesas sozinho já que eu não tenho trabalho ou qualquer rendimento. Mas é claro que tem tudo de ser pesado para que se possa determinar se são boas oportunidades ou se o que acrescentarão não será assim tanto.


Graças a Deus que os últimos anos têm sido muito diferentes e neste momento ele tem uma estabilidade que nunca teve antes. Há três anos atrás tinha dois partimes para conseguir, a muito custo, manter-se - um deles numa loja de roupa, a fazer algo que nunca tinha feito na vida e bem diferente daquilo em que sempre trabalhou. Não foi uma época nada fácil mas ensinou-nos muito e faz com que demos valor a todo o caminho feito até agora. Hoje não vivemos com luxos nenhuns e as contas são sempre muito bem feitas mas a evolução que teve o percurso dele/nosso é mais que notória e só podemos agradecer por isso!
E não há como não admirar e orgulhar-me imenso da pessoa com quem tenho a sorte de partilhar os meus dias, por ser tão dedicado e apaixonado pelo que faz, por ser tão generoso, empenhado e trabalhador. E por não desistir nem deixar de acreditar ou lutar por aquilo em que acredita. 

3 comentários:

  1. Não faz nada bem ele andar assim durante muito tempo. Não é saudável :)
    Mas fico feliz que as coisas se estejam a encaminhar. Eu ando neste momento à procura de trabalho e não está nada fácil :/

    Beijinho,

    juderefrain.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. A vida não devia ser só trabalho, mas está tão difícil conseguir um emprego, que tem que se deita a mão ao que aparece.
    Cuidado com essas "micções" noturnas tão frequentes. :/

    ResponderEliminar
  3. Há fases nas nossas c«vidas que são assim até chegar a estabilidade. Como ele deve viver em stress não consegue descansar, mais tarde vai refletir-se, é melhor procurar ajuda sim para poder descansar. Beijinho

    ResponderEliminar

Muito obrigada pelas tuas palavras!