Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Dor de alma


Há dias em que me é impossível aguentar, há dias em que não consigo de maneira nenhuma ser indiferente, em que questiono todo o meu comportamento e atitude, em que duvido se o que tenho feito é o correcto e em que os olhos se me enchem de lágrimas que me lavam o rosto. Há dias em que não sou capaz de ignorar que a minha mãe tenha para connosco (eu e minha irmã) uma postura tão altiva, tão indiferente, tão certa e cheia de si mesma. Como é possível que se passem dias, semanas e até meses sem que nos dirija uma única palavra, nem que fosse por uma mensagem de texto, para saber que é feito de nós?! Somos suas FILHAS, porra! Como é que se consegue, sendo mãe, passar tanto tempo sem que nos venha ao pensamento os filhos, sem que tenhamos vontade de saber, pelo menos, como estão, que é feito?! Eu, que sou filha, de quando em vez me lembro e quase sempre sou quem cede e pergunta por ela. Como é possível que se prefira utilizar uma rede social para partilhar com alguém tão próximo como um filho, essencialmente anúncios (de emprego, de casas, de vendas) e nada mais?! Nem uma pergunta, nem um interesse genuíno, nem uma palavra, além disso. Eu não compreendo, não sou capaz. E juro que me esforço, juro que já tentei muito e com muita vontade, fazer de outra forma. Mas nenhuma chegou, nenhuma foi suficiente ou bastou. Então acho que se pode dizer que desisti... E acho que o que mais me aflige é que ela não consiga ver que tanta gente já o fez. Que apesar de tudo o que já se passou e continua a passar ou da atitude que possa adoptar, eu estarei sempre disponível para ela. Porque ela é minha mãe. E porque eu sou sua filha. Mas é tão, tão triste dar-me conta de que a nossa relação será sempre tão superficial, porque não há como ser de outra maneira tendo em conta o que já se passou. Foram/são demasiadas falsas esperanças, demasiadas desilusões, demasiadas cobranças, demasiada dor, que toldam um relacionamento sem volta a dar. E isso só nos faz sofrer, só nos magoa, só nos faz mal. E pensar que ela me culpa por isso, tenho essa sensação...!

2 comentários:

  1. Nem sei o que te dizer... deve ser realmente complicado. Beijo enorme e um abraço apertado!

    ResponderEliminar
  2. Há dias maus. Mas tens de aceitar a realidade como é e ver a coisa pelo aspecto positivo: uma pessoa tóxica está a viver afastada de ti. Só te contamina se a deixares. Cuidado, é fácil permitir que a coisa continue à distância. Conselhos e fossem bons não seriam de graça mas... Se aceitares a realidade como é, com as carências que para sempre terás, e os defeitos que sempre lhe verás, talvez se crie uma película de protecção. E essa não-vulnerabilidade é necessária para enfrentar a vida.

    ResponderEliminar

Muito obrigada pelas tuas palavras!