Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

A nossa Lua-de-mel

Apesar de inicialmente termos concordado não ter lua-de-mel depois de casarmos, quando nos demos conta de que o homem teria uma semana livre, além do tempo que dispenderemos no casamento, achámos que podíamos procurar uma viagem a uma qualquer capital europeia, que não nos custasse muito caro. Nós só estivemos juntos para fora do país quando eu estive em Erasmus e já se passaram tantos anos que gostávamos de sair de Portugal naquela altura, além disso há tanto sítio que queremos conhecer e ultimamente viajar não tem sido (de todo) possível.

A verdade é que, apesar de termos ponderado a questão, vimos algumas viagens mas, como também nunca o fizemos, não sabíamos muito bem como organizar toda a viagem, como encontrar os preços que podíamos pagar, onde ir, o que fazer. A juntar a isso, o nosso orçamento era muito limitado, que é como quem diz como não tínhamos orçamento, o que tínhamos para a lua-de-mel era "o mínimo dos mínimos que fosse possível". A ideia de gastarmos uma quantia considerável numa viagem de lazer, ainda que fosse especial (afinal era a nossa lua-de-mel, só acontece uma vez na vida, nestas condições), custava-nos a interiorizar. Afinal, é já tanto o investimento para organizar e fazer um casamento, nós temos um orçamento tão limitado e há tantas outras coisas que são prioridade na nossa vida que, apesar de termos procurado e tentado informar-nos, não sabíamos por onde começar, para onde nos virar e íamos adiando a decisão de ir ou não ir, para onde, como e quando.


Na semana passada recebi um telefonema de uma grande amiga a contar-me que se tinha juntado às restantes do nosso círculo próximo e tinham decidido oferecer-nos a lua-de-mel como prenda de casamento. Estavam a contar-nos para que nós não reservássemos nem marcássemos nada como sabiam que estávamos a ver...mas não nos diriam para onde iríamos. Não pude decidir nada sem falar primeiro com o G. e por isso liguei-lhe deixando a minha amiga em suspenso por uns minutos. Ele respondeu-me precisamente aquilo que eu sentira. Por isso soubemos que felizmente estávamos de acordo no assunto e que a resposta era clara - isto porque a R. me deixou à vontade para dizer francamente se queríamos aquela prenda ou se preferíamos outra coisa. Liguei-lhe de volta depois de falar com o homem e dei-lhe a única resposta possível, que aquela prenda era óptima para nós!!! Nessa altura já toda eu tremia, não encontrava as palavras e mal podia acreditar.

A verdade é que a lua-de-mel não era uma coisa essencial para nós pois, caso fosse, teríamos tratado logo do assunto e no fundo, o que nos aconteceu é que não estávamos realmente decididos a fazê-la - atendendo às nossas circunstâncias e limitações actuais - e no nosso interior quase nos tínhamos conformado com não fazê-lo depois do casamento. Entre gastar 500€-1000€ numa viagem ou guardar esse mesmo valor, tendo em conta o que iremos gastar no casamento, a nossa opção é clara e simples neste momento. Mas também temos plena consciência de que, se não o fizéssemos depois de casar provavelmente não o faríamos e com certeza não seria a mesma coisa. Se podíamos viver com isso? Perfeitamente. Aliás, só assim fazia sentido que estivéssemos confortáveis e de acordo com não o fazermos de todo. E, francamente, acho que se não nos tivesse sido oferecida não a faríamos, acabaríamos por continuar a adiar indefinidamente a sua marcação (como aliás vínhamos fazendo há já algum tempo). Disse logo à minha amiga que nós não estávamos a contar com prenda nenhuma, mas também conheço bem o grupo que é e sei perfeitamente que fazem questão de nos oferecer algo especial e muito simbólico, daí a ideia de uma coisa que ficará para sempre nas nossas memórias e corações. Não podia ser uma prenda mais especial, ainda mais vinda de quem veio! Sem dúvida uma das melhores prendas de sempre, como, aliás, lhes faz jus.


Se podíamos dizer que, apesar de não esperarmos nada, se nos queriam dar alguma coisa preferíamos dinheiro? Claro, não somos hipócritas. Aquilo que é realmente essencial para nós está tratado desde o momento em que o decidimos e não contámos nem esperámos por ninguém para o fazermos. Por isso não esperamos nada dos convidados. Mas obviamente que se me perguntarem se prefiro uma prenda como um jarrão, uma máquina para casa, uma coisa de enfeite ou dinheiro, eu direi sem dúvida que a nós nos faz muito mais jeito o dinheiro. Afinal já moramos juntos à algum tempo, pelo que não nos faltam coisas importantes e necessárias em casa e o que nos pudessem oferecer podia servir nesta casa e não naquela que um dia queremos ter (moramos numa casa arrendada e o nosso maior sonho é ter a nossa própria casa). E apesar de não estarmos, naquele momento, juntos, quando soubemos da notícia, tanto eu como o homem ficámos radiantes e mal cabíamos em nós de felicidade.

Dito isto: TEMOS LUA-DE-MEL!!! E é a prenda mais maravilhosa que podíamos receber deste nosso grupo de amigos. Só demonstra o quão especiais são o facto de terem pensado nisto, de terem sido eles a tratar de tudo e fazerem segredo até à data. Só demonstra que são pessoas muito queridas e importantes nas nossas vidas, serem capazes de ver através de nós.


Não sei para onde vamos mas de uma coisa tenho a certeza: será inesquecível. E a notícia não nos podia encher mais o coração!

7 comentários:

  1. Que amigos maravilhosos =) Vai ser maravilhosa a viagem =)

    ResponderEliminar
  2. Tens uns amigos excelentes! Espero que adores a viagem! :)

    ResponderEliminar
  3. Espetacular! Muito boa ideia dos teus amigos!

    ResponderEliminar
  4. Que surpresa maravilhosa. Uma querida amiga minha, quando estava em preparativos do casamento, também nos disse que não ia ter lua de mel porque o orçamento não dava para tudo e nós também decidimos oferecer-lhes a lua de mel.
    Vai saber-vos tão bem :)

    ResponderEliminar

Muito obrigada pelas tuas palavras!