Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 14 de março de 2012

Como se passa o tempo em terras de ninguém

Ou "E assim se inicia o caminho (rápido) para a paranóia (das compras para casa - comida)"

Esta tarde não tive aulas, em resultado, sai de casa.


Andei, pus-me ao caminho, voltei 3h depois com um saco pesadão de comida do LIDL (a única coisa que me lembra Portugal, por mais estúpido que seja, é a m***da do LIDL que também há cá). Comprei imensa comida, enchi a dispensa. E tendo em conta que mesmo ontem à tarde já tinha ido às compras…podem imaginar!

O G. chega na sexta à noite quase. Eu quero mostrar-lhe o que já aprendi sobre a gastronomia italiana e pretendo cozinhar. Alem do mais, a comida é uma das muitas paixões que partilhamos. E então tenho acartado para casa, a pouco e pouco, com o passar dos dias, qual formiga trabalhadora, uma coisa e outra coisa para experimentarmos juntos e partilharmos quando ele cá estiver. Pareço uma mãe babada, quero ter imensa comida quando ele chegar para que não lhe falte nada, rais parta a tolice!
Não é consciente, só me dei conta disto agora que me pus a escrever sobre a coisa. Oh sorte!

Embora não seja grande motivo de orgulho (gastar dinheiro), fico feliz por, pelo menos, gastar dinheiro em comida em vez de gastá-lo em coisas superficiais. Mas sei que compro (e portanto gasto) mais que o estritamente necessário. Mas o que é que eu posso fazer? Nesta terrinha não há muito para ver e, muito menos, fazer, dá-me para ir às compras nos (tantos) tempos livres e tenho-me dedicado a analisar minuciosamente os mil e um panfletos publicitários que nos deixam no correio com os descontos e preços baixos em cada supermercado de cá.

No final de contas, gostaria de salientar que andei que me fartei. Isto aqui não é muito grande mas a verdade é que andei cerca de 2h (aproximadamente uma hora foi perdida a entrar em algumas lojinhas e no supermercado antes de regressar a casa) e vi lugares que ainda não tinha visto, descobri lojas e começo a conseguir criar mentalmente um mapa de orientação que só consigo quando conheço no terreno os locais – perdendo horas a andar a pé.

E amanhã, muito provavelmente estarei toda moída de tanto ter andado e carregado tanto peso (das compras) no regresso a casa.
Mas é bom para as pernas e rabo flácidos e para combater a barriguinha que o sedentarismo e a boa comida (e o gostar de comer e ser uma verdadeira gulosa) criam.

4 comentários:

  1. Obrigada por ter visitado "a minha casa". Volte sempre e muito boa sorte nessa aventura/ experiência ERASMUS:-) Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  2. Peço-te que passes no meu blog, e que repares no meu último post.
    Beijinhos, Ana.

    ResponderEliminar
  3. Gostei imenso , parabéns pela escrita *
    Já sigo e se for merecedora do teu "Seguir" e de um comentário com a opinião, agradecia ^^
    Beijinho.

    ResponderEliminar

Muito obrigada pelas tuas palavras!