Pesquisar neste blogue

sábado, 8 de novembro de 2014

O dilema do natal

Vou passar, pela primeira vez, o tão esperado Natal com ele ou, pelo contrário, passarei o primeiro Natal da minha vida longe da minha irmã, do meu pai e da minha avó?


Talvez seja o último ano em que eu tenha os dias da festa livres e, por isso, me possa deslocar à minha terra (este ano já previa que isso não acontecesse por estar a trabalhar mas não estou já!), apesar de isso implicar um grande esforço económico para mim e para os meus (para que possa lá ir), embora tenha a tese para fazer e saiba que não farei nada enquanto lá estiver e o prazo, nessa altura, estará já à porta...
Por outro lado, não queria nada que 2014 fosse mais um ano em que me tenho de separar dele nesta altura, até agora não passámos tempo nenhum desde que 2013 acabou, longe um do outro e é tão bom. Mas implica tanto. Se por um lado não lhe posso exigir que vá comigo, quer a nível financeiro, quer porque já lá foi este ano duas vezes, seria a terceira, por outro não acho justo eu ter de passar o Natal com a família dele, quando pode ser o último que posso passar com os meus.
Não tenho muito incentivo para ir a casa porque as viagens são uma autêntica exorbitância, embora saiba que o meu pai não ma negaria porque me quererá lá. Preocupa-me não poder lá ir também no próximo ano, nem no outro a seguir, nem depois embora saiba que devo viver um dia de cada vez. A minha avó, a minha irmã e o meu pai são pessoas muito importantes para estar longe deles nesta data mas o Natal lá já não é o que em tempos foi, desde que os meus pais se separaram...e eu não queria nada estar longe do G. mais uma vez, custa tanto!
Enfim...não chegamos a conclusão nenhuma mesmo já tendo falado do assunto. Ele propôs passarmos o Natal com os pais dele e que no próximo fôssemos a minha terra. Não me parece muito lógico porque, lá irmos, implica termos dias para isso, sem trabalho e eu conto (se Deus quiser!) estar a trabalhar daqui a um ano, pelo que duvido ter "férias" nesta altura...

Alguém tem a solução mágica por aí?

Para mim, já lho disse, não passávamos o Natal com uns nem com outros mas antes sozinhos, os dois, até noutro lugar se conseguíssemos, longe daqui. Estou disposta a abdicar de estar com os meus para estar só com ele, mas ele não. Por isso, nada a fazer.

6 comentários:

  1. Se tens esses problemas futuros e estiveste este tempo todo com ele, acho que a tua família merecia-te ter um bocadinho lá com eles ! E seria tão bom para ti !
    Pensa bem :)

    ResponderEliminar
  2. Uma decisão difícil sem dúvida. Se estivessem todos perto uns dos outros, seria fácil dividirem-se pelas duas famílias, pois Natal é família, mas assim não é fácil... Espero que cheguem a um consenso que contente ambos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, agradar aos dois é que será complicado. Passarmos juntos é o mais importante mas ao mesmo tempo ele já disse que não iria passar a minha terra, pelo que , se for (não sei ainda), vou sozinha... Obrigada!

      Eliminar
  3. Infelizmente não te posso ajudar...
    Eu sou muito despegado, e por isso não me custa passar o Natal sozinho... Não é um dia que faz a diferença, a diferença é feita todos os dias...
    Como nós engravidámos inesperadamente e o final vai bater com o final do ano também devemos passar o ano sozinhos, já que estava previsto ir-mos passar o Natal todo com a familia dela, já havia bilhetes de avião comprados e tudo (tudo com muita antecedencia, senão ia ficar carissimo...), assim nós perdemos o dinheiro dos bilhetes e ficamos por cá... Logo se verá se sozinhos ou não...
    Vocês ponderem bem, e vejam bem a vossa vida... Eu no vosso lugar provavelmente optava mesmo por um Natal a dois, mas voces é que sabem...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pra mim essa era, pelo menos, a opção mais justa para ambos. Mas não faz muito sentido estarmos perto e não passarmos o Natal com os pais dele. Enfim...não tá fácil!
      Obrigada pela partilha e opinião e muita sorte e saúde para o bebé e para vocês :)

      Eliminar

Muito obrigada pelas tuas palavras!