Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Coração destroçado

Ninguém quer para si algo que lhe faz mal. Ninguém no seu perfeito juízo se magoa e continua a insistir em magoar-se, em que o magoem. 
A minha mãe continua a culpar tudo e todos à sua volta por tudo o que de mal lhe acontece. O problema e a culpa é sempre de tudo e todos menos dela, quando na verdade as coisas só dependem dela mesma, da atitude que toma em relação a elas e da postura que tem para com as situações. Para ela, tudo gira à volta e contra ela neste planeta. Ela é sempre a ostracizada, a vítima, a infeliz. Ela é sempre aquela a quem todos querem mal e de quem ninguém gosta. Não há ninguém capaz de lhe fazer ver o estado em que está.
Enquanto isso, vai destruindo tudo que de bom exista à sua volta e cultivando ervas daninhas, venenos e amarguras. E nada está em seu poder, ela é uma alma indefesa e incapaz, a única pura e à qual todo o universo quer fazer mal e tornar infeliz. Este mundo distorcido que ela pinta à sua volta faz com que viva numa cápsula, sobre si mesma e não consiga ver nada verdadeiro ou real, é tudo inventado e fantasia da sua cabeça. Não há quem a chame à realidade nem lhe mostre razão.
É muito duro lidar com alguém assim e é verdadeiramente insuportável quando se vira contra nós, que só lhe queremos bem, que só queremos ajudar ou trazê-la de volta. É impossível. Tenho de me convencer que é impossível trazê-la de volta se ela não quer, sem ela ter essa vontade ou propósito. Ela está submersa num ciclo vicioso do qual não sai porque não é capaz de o perceber nem se esforça por vê-lo.


Hoje está triste, muito triste e a culpa é minha. Porque no dia do meu aniversário não quis estar comigo porque eu estava com o meu pai. Mas a culpa é minha, fui eu quem preferiu estar com o meu pai em vez dela, quando eu não tenho nada que escolher um ou outro. Passaram-se agora cinco anos - CINCO - desde que se veio embora à revelia deixando mais de duas décadas de vida em comum. A questão é que ela não deixou só o meu pai, a casa, o carro e a vida que tinha. Ela fez questão de abandonar toda a sua própria família, as filhas e a própria alma. Não a reconheço, não sei quem é aquela pessoa porque é tão imprevisível, tão variável que não se pode cultivar uma relação segura com ela. Não há laços que sobrevivam a estas merdas. Não há razão que perdure nem sanidade que aguente.
E assim estamos. Fiz 25 anos, data digna de comemoração e a única coisa que recebi nesse dia foi uma dor imensa que carrego no peito até agora pelas atitudes daquela que me trouxe ao mundo. Não consigo compreender. Já tentei arranjar forças para tentar ignorar isto e quem sabe até celebrar o meu quarto de século mas a verdade é que estou destroçada e não tenho coragem de o fazer. Já o ano passado algo semelhante aconteceu porque ela decidiu que não tinha de me dizer nada no meu aniversário e ficar à minha espera, em sua casa, o dia todo. Isto porque eu sabia que ela estava "por minha conta" nesse dia e ainda assim não lhe disse nada. Sim, era o meu aniversário e sim, ela é que esperava que eu lhe dissesse alguma coisa.
E este ano, voltou a recordar esta triste história, ou seja, continua a achar que fez bem. Isto não é normal. Isto cabe na cabeça de alguém?!

7 comentários:

  1. Parabéns atrasados, e realmente so quem passa por essas coisas é que sabe, mas acima de tudo tenta convence-la a ir a um psicologo, mal nao lhe fara e podera ajuda-la, mas se realmente ela n quer, n te culpes, porque: "não se faz omoletes sem ovos".

    ResponderEliminar
  2. Uma situação muito complicada..
    muita força..

    beijos***

    ResponderEliminar
  3. É muito complicado percebermos a cabeça de alguém, muito mais difícil se torna quando é a cabeça de alguém que tem como dever cuidar de nós, amar-nos, proteger-nos.
    Sei que deve ser assustador para ti passar por esses sentimentos todos mas pensa que provavelmente estás a fazer o teu melhor, mesmo que ninguém reconheça isso.
    Muita força =)

    Vou seguir!

    ResponderEliminar
  4. O primeiro passo poderá ser fazê-la entender que precisa de ajuda, provavalmente está deprimida e precisa de cuidados. Boa sorte :)

    ResponderEliminar
  5. Sinceramente nem sei o que te dizer, deve ser muito difícil mesmo. Penso que ela precisa realmente de ajuda e era muito bom que alguém a conseguisse convencer disso... Mas pelo que dizes vejo que não é fácil... Enfim, um beijinho grande e força!!

    ResponderEliminar
  6. E eu acho que infelizmente, por mais que tentemos explicar que essas ervas daninhas e as mágoas que cria à sua volta, não a levam a lado nenhum, não compreende. É como se falássemos para uma porta. Não deve ser nada fácil gerir tudo isso :(

    ResponderEliminar
  7. Merdas. Que infelizmente entendo demasiado bem.
    Contudo tens coisas a teu favor e tenta centrar-te nelas. És jovem, vais casar.... não estás só.
    Ela vai sempre proporcionar-te esse tipo de experiencia, pelo que entendi. Vai sempre doer e se vais casar é provável que algo te escureça um pouco o dia. Mas aceita-o sem te deixar afetar e goza a tua vida plenamente, na medida do possível

    ResponderEliminar

Muito obrigada pelas tuas palavras!