Pesquisar neste blogue

sábado, 5 de março de 2016

Estado de (c)alma


Depois da tempestade, do furacão, do explodir...acho que já acalmei o que tinha dentro do peito. Precisei de umas horas, de umas palavras mal medidas, de tempo sozinha, de espaço e de gritar. Há muita coisa que me faz confusão e que não consigo aceitar mas tenho de trabalhar isso em mim. Muitas vezes não controlamos o que nos acontece, não temos as respostas certas nos momentos certos, muitas vezes não sabemos como agir. Muitas mais vezes ainda perdemos energia preciosa a desperdiçar horas ou dias da nossa vida com fúrias que alimentamos dentro de nós. Não posso deixar que algumas coisas me afectem tanto ou mexam tanto com a minha paz ou o meu equilíbrio. Esta é a minha maior luta interior, procurar sempre estar em paz e em equilíbrio. Porque muito fervilha dentro de mim, não tenho "sangue de barata" e expludo com muita coisa. Isso só a mim me prejudica, só a mim me desgasta, cansa e faz mal. E como ouvi alguém uma vez dizer "o nosso corpo é o nosso escudo, aquilo que nos permite ter vida terrena, por isso, temos de o tratar, cuidar e preservar", só assim viveremos melhor.

1 comentário:

  1. Eu também era muito explosiva. Era um pequeno barril de pólvora sempre pronto a explodir. Mas depois aprendi que isso só me prejudicava. Me matava aos poucos. E comecei a relativizar tudo.
    Ainda sou interventiva e não compactou com aquilo que não acredito mas aprendi a colocar-me em primeiro lugar e dar importância às coisas que realmente a têm.
    Experimenta e vê a tua vida a mudar!

    ResponderEliminar

Muito obrigada pelas tuas palavras!