Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 14 de março de 2016

Relatório de fim-de-semana

Este fim-de-semana foi duro. Não posso dizer que não tenha sido bom mas foi, no mínimo, intenso.


Na sexta à noite, depois de ter passado o dia a tentar estudar alguma coisa, dar um jeito à casa e organizar o necessário para o trabalho da noite, fomos fazer figuração das 21h às 2:30h. Apanhei tanto frio que julguei que congelava, tão cedo não nos apanham numa daquelas. Se não tivéssemos ido os dois acho que não tinha lá posto os pés mas quando somos os dois a ganhar qualquer coisa extra, temos outro incentivo e compensação.

No sábado de manhã tive exames para uma vaga de emprego à qual me candidatei. Fiquei surpreendida com a quantidade de candidatos e triste porque não achei que me tivessem corrido muito bem, estou fora de forma e não tão à vontade como já estive. A prática ajuda e eu não tenho tido muita...pelo que não querendo iludir-me, ainda assim, mantenho uma réstia de esperança. Seja o que tiver de ser.
Aproveitámos que estávamos acordados desde cedo e tentámos ver alguma coisa dos convites para o nosso casamento. Não foi fácil andar debaixo daquele sol tão quente que fazia doer a cabeça e manter-nos animados e interessados no meio de tanta oferta e sem saber muito bem o que procurávamos. Fomos ver que opções teríamos em termos de materiais para fazermos nós mesmos os nossos convites, dentro do que gostamos e podemos pagar.
O resto do dia foi passado em casa, desde o almoço tardio. Não houve nada que não fizessemos, vimos TV, limpei a casa toda, ele trabalhou nos convites e tratou de algumas coisas pendentes em casa.
O dia terminou da pior forma e foi uma das piores noites de que me recordo. Discutimos e acabámos por nos aborrecer imenso um com o outro. Magoámo-nos, dissemos o que não devíamos, o que não sentimos. Eu tive um ataque de choro descomunal que em muito se deve (bem como o meu estado de espírito em geral) à (não) situação profissional em que estou, ao facto de não ter nada certo ou mais estável, ao depender de outros para sobreviver, ao não poder fazer muito mais além do que faço dadas as minhas circunstâncias actuais de formação. Sinto-me muito perdida às vezes e não consigo manter-me sempre positiva com o estado em que estão as coisas. Sei que muitas vezes descarrego injustamente na nossa relação e que expludo de tal maneira que me consigo tornar um ser verdadeiramente insuportável. Com tudo isto consigo sentir-me genuinamente miserável. A noite de sábado para domingo foi terrível. Mas Domingo chegou e apesar dos olhos inchados, da cara de sono e das mazelas no espírito, mantivemo-nos juntos e o dia acabou por ser bom.

Domingo foi passado com os pais do G. Almoçámos com eles, passeámos e despedimo-nos só ao final da tarde. Regressámos a casa, tomámos decisões quanto à decoração do nosso casamento, abandonámos ideias e abraçámos outras, as coisas começam a compor-se. Comprámos mais um par de candelabros para os centros de mesa e assim vamos no bom caminho. Falta-nos avançar com os convites e decidir o fotógrafo para já.


Conversámos, pedimos desculpa, admitimos ter errado e prometemos empenhar-nos em fazer diferente. Assim será, se Deus quiser.

1 comentário:

  1. Espero que já esteja tudo melhor por aí e que os preparativos estejam a correr bem! :)

    ResponderEliminar

Muito obrigada pelas tuas palavras!