Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Há três anos

Recebi uma das notícias mais duras da minha vida. O meu tio tinha falecido. E eu deveria levar a notícia à filha dele, contando-lhe pessoalmente aquele triste destino.
Foi uma viagem muito sofrida e ter de estar longe num momento assim foi muito duro, não o tornou mais fácil. Na semana passada falei dele, num trabalho para o qual fui chamada, sem estar a contar ter de partilhar uma experiência ou vivência pessoal. É ainda muito difícil lembrá-lo sem nos emocionarmos. E falo no plural porque ele era uma pessoa única, muito especial e muito querida por todos à sua volta. Era uma pessoa divertida, com um sentido de humor muito característico e que gostava de viver a vida e aproveitar o melhor que ela tem para nos dar. Essa sua escolha de vida influenciou a sua partida prematura. 
Por mais anos que passem, há-de ser sempre uma boa memória, uma das que nos dá um aperto no peito e nos enche os olhos de lágrimas, porque deixa saudade. As recordações boas são muitas ainda e serão sempre guardadas nos nossos corações, pela importância que teve para nós. Apesar de custar muito a sua ausência, sei que olha por nós, onde quer que esteja e sinto que está entre nós porque mora nos nossos corações. Será sempre a estrelinha mais brilhante dos nossos céus.
Acho que não preciso de lhe dizer, porque ele o saberá mas quero escrever-lhe que sentimos muito a sua falta e gostamos tanto, tanto dele que ainda custa a acreditar que não o podemos abraçar mais.


3 comentários:

  1. A ausência dos que amamos é sempre dura, mas com o tempo o sofrimento torna-se nostalgia e é-nos permitido sorrir ao lembrar deles =)

    ResponderEliminar
  2. Há pessoas que nos marcam para sempre...é bom termos pessoas dessas nas nossas vidas.

    ResponderEliminar

Muito obrigada pelas tuas palavras!