Pesquisar neste blogue

terça-feira, 21 de junho de 2016

Protecção solar


De há uns anos a esta parte começo a tolerar cada vez menos o sol na minha pele. Não é porque eu estou a ficar mais velha, porque não ponho protector solar ou por qualquer outro motivo desconhecido, só pode ser mesmo porque o sol está cada vez mais forte e perigoso. Provavelmente a protecção que a Terra tinha em relação ao Sol está tão danificada que os efeitos negativos do sol em contacto com a nossa pele se tornaram mais visíveis (e perigosos). Até a pessoa mais distraída e menos informada consegue perceber que o sol dos últimos anos não é o mesmo de há uns 5/10 anos atrás, que causa maior incómodo na pele, que se suporta muito menos e que nos exige cuidados redobrados. Ou serei só eu a pensar/ sentir isto? Se calhar não sou...afinal, há mais gente por este mundo a alertar para os perigos da exposição solar desprotegida e desconsciencializada.

Quando era miúda, do alto do início da minha adolescência, sem consciência do perigo que corria, não me importava muito com a utilização de protector solar e queria era ter um bronzeado espectacular, apesar disso, contam-se pelos dedos de uma mão os escaldões que apanhei, que me serviram de emenda. Algo que nos faz sentir e passar tão mal como um escaldão só prova como aquilo que nos leva a apanhá-lo não está correcto, não nos faz bem! Há já largos anos que passei a ter muito mais respeito pelo Sol e não dispenso a protecção solar. Mais recentemente me convenci de que a protecção não basta quando vamos à praia ou na altura de maior calor e que deve ser um hábito do ano inteiro. Ainda estou nesse processo - o de utilização de protector durante todo o ano, principalmente no rosto e mãos - mas tenho-me empenhado nesses cuidados. E vocês? São cumó Joni?
Mais informações sobre efeitos do sol e radiação ultravioleta.

1 comentário:

Muito obrigada pelas tuas palavras!