Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Os donos do mundo

Por que será que existem certos indivíduos que se julgam superiores a toda a humanidade, melhores do que toda a sociedade e imunes a quaisquer regras ou senso comum?!
Há pessoas que só podem achar que mandam mais do que os outros ou que são superiores porque pura e simplesmente não respeitam nada nem ninguém. Refiro-me a pessoas que acham que os seus problemas são sempre maiores do que os dos outros, que pensam que têm sempre mais pressa ou urgência que o mundo inteiro e que estão convencidas de que têm o direito de impor as suas vidas, crenças e formas de estar a todos os outros. 
Sabem aquelas pessoas que deitam lixo para o chão, as que põe no contentor da reciclagem do cartão embalagens, as que falam ao telefone em transportes públicos tão alto que não há ninguém que não seja obrigado a ouvir e as que ouvem música tão alta que (mais uma vez) a impõe a todos à sua volta (em casa, incomodando todos os vizinhos, ou nos transportes, importunando todos os utilizadores).
O que mais me impressiona neste tipo de gente é a indiferença e a falta de consideração para com os outros. Agem como se fossem donos do mundo, como se todas as outras pessoas tivessem de viver sob os seus ditames. Onde é que está o civismo, a educação e a consciência deste tipo de gente?!


Obviamente que me refiro a quem faz disto um hábito, uma constante. Não se tratam de situações esporádicas, que acontecem uma vez por outra, por um motivo em particular que nos leva a fazê-las - como uma chamada inesperada que nos surpreende com notícias com as quais não contávamos, com uma situação de particular urgência em que qualquer pessoa perderia a calma ou paciência ou de um dia de festa em que há música mais alta ou barulho de convidados para um jantar especial. São situações recorrentes, quase rotineiras que me tiram do sério. Porque demonstram claramente uma falta de consideração tremenda. Porque é tão fácil não incomodarmos os outros constantemente se tivermos pequenos cuidados, que não custam nada a implementar nas nossas vidas. Não temos de deixar de fazer nada, se as pessoas fossem minimamente conscientes e compreensivas faria toda a diferença. Porque não precisamos de incomodar quem nos rodeia ou sobrepor-mo-nos aos outros para vivermos ou fazermos a nossa vida, as nossas coisas.
Estas pessoas não têm noção - nem se importam com isso - do quanto podem afectar ou prejudicar a vida dos que as rodeiam com as suas atitudes egoístas e egocêntricas. Ninguém tem de levar com os problemas, as músicas, as conversas, as festas e a falta de educação dos outros. Mas há pessoas que se acham no direito de se imporem a toda a gente, sem meias medidas, sem pedir licença, do alto da sua arrogância e prepotência.
E os outros é que estão mal, para estas pessoas, porque se alguém lhes tentar chamar à razão, tentando encontrar alguma réstia de compreensão naquelas cabeças ocas, ainda se habilita a levar com uma bela duma resposta torta e ser acusada de tudo e mais alguma coisa.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Muito obrigada pelas tuas palavras!